COMPARTILHAR

Didier Mariotti é o décimo primeiro
Mestre de Maison Veuve Clicquot

Madame Clicquot era uma mulher audaciosa. Quando o marido morreu, em 1805, ela assumiu o comando da empresa, embora tivesse apenas 27 anos.

Ela era uma produtora exigente, esforçando-se incansavelmente para alcançar a máxima qualidade. Sendo a primeira de seu gênero e uma visionária pelo excelente caráter de seus vinhos em termos de vinificação, mistura e sabor, Madame Clicquot sabia que tinha que produzir champanhe de alta qualidade consistente. Por isso, ela aperfeiçoou a arte do envelhecimento, bem como a seleção de seus vinhedos.

Agora, o décimo primeiro Mestre de Adegas da Veuve Clicquot, Didier Mariotti, está determinado a sustentar a mesma visão.

Ele tem a função de preservar as experiências e o estilo inconfundíveis da Maison, protegendo as adegas e o tesouro dos vinhos de reserva, além de traçar o caminho para o futuro de Veuve Clicquot, projetando e criando vinhos icônicos com sua mais emblemática assinatura: Pinot Noir.

“Estou orgulhoso de participar de uma Maison histórica e perpetuar mais de dois séculos de savoir faire em peças icônicas como La Grande Dame e Yellow Label, abraçando inteiramente o lema de Madame Clicquot — “ Apenas uma qualidade, a melhor ””- Didier Mariotti.
Mantenha-se atualizado com a Veuve Clicquot ao inscrever-se na nossa newsletter.

Artigos relacionados

LA GRANDE DAME, UM PRESENTE COMO NENHUM OUTRO Mais do que um champanhe, La Grande Dame é realmente um presente em todos os sentidos da palavra.

LA GRANDE DAME TEM UM LUGAR À MESA Uma safra excepcional para momentos excepcionais.